Descodificando o Papel das Emoções

As nossas emoções preparam-nos para lidar com eventos importantes sem termos que pensar muito sobre eles. Elas ocorrem automatica e espontaneamente, ou seja, não escolhemos senti-las. As emoções não são boas nem más. São apenas respostas evolutivas que nos permitiram sobreviver enquanto espécie. Assim, elas desempenham uma função vital – PROTEÇÃO!

Normalmente aquilo que percecionamos como ameaçador para nós, tendemos a evitar ou a tentar controlar. Algumas vezes essas estratégias de evitamento e controlo resultam e aliviam temporariamente o nosso mal-estar ou sofrimento. No entanto, a longo-prazo isso pode ser disfuncional e desadaptativo. Isto é, de forma simplista, quanto mais tentamos evitar, controlar ou suprimir uma emoção, mais esta terá necessidade de ser expressa, uma vez que é uma necessidade básica do ser humano. Se não for expressa no momento adequado pode resultar num acumular e perpetuar do sofrimento, podendo resultar em psicopatologia.

Cada uma das emoções universais tem sinais, fisiologias e “timings” distintos. Embora variem na sua duração de início e fim, as emoções normalmente não duram muito tempo. Se uma emoção persistir por um longo período, sem interrupção, é provável que possa ser categorizada como estado de humor ou uma perturbação psicológica.

Apresentamos abaixo 7 emoções e descodificamos de forma simples o seu significado:



TRISTEZA

FUNÇÃO: É vivenciada como resultado da perda de alguém ou alguma coisa importante para nós. Permite identificar o impacto de algo desagradável e pedir ajuda e conforto. Alguns gatilhos da tristeza podem ser: 1) Rejeição por amigos ou parceiros; 2) Finais e despedidas; 3) Doença ou morte; 4) Perda de algo importante (ex.: trabalho); 5) Desilusão pessoal.

EXPRESSÃO: Pálpebras caídas e olhos para baixo. Cantos dos lábios horizontais ou caídos. Ombros descaídos e corpo encurvado. Tom de voz grave, lento e suave.


ALEGRIA

FUNÇÃO: Talvez a emoção mais desejada por todos. Permite repetir os comportamentos que geram bem-estar, segurança e promove relações próximas com os outros. Sinaliza que não somos uma ameaça para os outros. Motiva-nos a fazer coisas que são boas para nós e para a nossa sobrevivência (ex: reprodução e estabelecimento de relações).

EXPRESSÃO: O sorriso é a expressão universal para sinalizar alegria. Apresenta-se com as bochechas levantadas e os lábios curvados para cima. Olhos semicerrados com pregas designadas “pés de galinha” nos seus cantos. A nossa postura corporal pode ser elevada e ereta ou imóvel e relaxada. Podem existir suspiros de contentamento ou gritos de excitação.


RAIVA

FUNÇÃO: Surge quando somos impedidos de perseguir um objetivo e/ou somos tratados injustamente. Permite-nos defender e proteger de ameaças ou ataques. Existem vários gatilhos para a raiva, tendo esta uma potencial conexão com a violência quando não é bem gerida. Quando a sentimos é provável que façamos e digamos coisas que magoam os outros ou a nós.

EXPRESSÃO: Mandíbula tensa, dentes cerrados, pálpebras apertadas e sobrancelhas franzidas. O tom de voz pode ser mais alto, rápido, forte, agudo e brusco. As mãos e pernas podem ficar tensas, punhos fechados com força. Podemos tentar ocupar mais espaço físico para darmos a sensação de sermos maiores. Podemos sentir calor, suores e maior tensão muscular.


MEDO

FUNÇÃO: Permite detetar ameaças a nós ou à nossa segurança e tomar decisões focadas na proteção e sobrevivência. Desempenha um papel importante na manutenção da nossa segurança, mobilizando-nos para lutar, fugir ou imobilizar. As ameaças podem ser reais ou imaginadas. Podem existir vários gatilhos para o desencadear desta emoção (ex.: escuridão; alturas e voos; interação social; animais; morte; etc.).

EXPRESSÃO: Sobrancelhas levantadas, retas e horizontais. Pálpebra superior também se levanta, expondo mais a “parte branca” dos olhos. As pálpebras inferiores ficam tensas. A mandíbula fica aberta e os lábios esticados horizontalmente para trás. A voz pode ficar mais aguda, irregular e tensa. Podemos ficar mais retraídos, sentir mais frio ou falta de ar, suores ou tremores.


NOJO/REPULSA

FUNÇÃO: Surge como um sentimento de aversão ou repulsa a algo ofensivo ou desagradável para nós. O objetivo é manter-nos longe ou remover coisas potencialmente perigosas ou prejudiciais para nos manter seguros e saudáveis (ex.: não comer algo estragado). Podemos também sentir nojo/repulsa de outras pessoas ou de aspetos de nós próprios (ex.: aspetos da nossa personalidade ou partes do nosso corpo).

EXPRESSÃO: O sinal mais óbvio é o enrugamento do nosso nariz. Outros sinais são as sobrancelhas para baixo, o lábio superior em forma de “U” invertido e o lábio inferior levantado e ligeiramente mais saído. Podemos tentar desviar ou afastar a cabeça ou o corpo.


VERGONHA

FUNÇÃO: Previne que nos magoemos nas interações sociais. Ajuda-nos a adotar comportamentos adequados e apropriados de acordo com os grupos onde estamos inseridos por forma a sobrevivermos e nos sentirmos integrados. A vergonha pode ser concetualizada como “a forma como eu acho que existo na mente dos outros”. Se eu achar que os outros me percecionam de forma desadequada poderei aumentar os meus índices de vergonha, focando os meus esforços numa tendência autocrítica e em processos disfuncionais de evitamento.

EXPRESSÃO: Normalmente poderemos ficar “corados”, ter tendência a esconder a cara com as mãos, desviar o olhar e esconder os aspetos que consideramos mais desadequados do nosso “eu”. Adotamos uma postura mais fechada e que ocupa menos espaço, por forma a estarmos mais submissos. Podemos ter dificuldade em falar e comunicar com os outros.


SURPRESA

FUNÇÃO: Surge quando encontramos sons, situações ou movimentos repentinos e inesperados. A sua função é focar a nossa atenção em determinar o que está a acontecer no momento e se é ou não perigoso para nós. É a mais breve de todas as emoções e passa quando descobrimos o que está a acontecer dando normalmente lugar a outra emoção.

EXPRESSÃO: Sobrancelhas levantadas, mas não unidas. Pálpebras superiores levantadas e pálpebras inferiores neutras. Queixo mais descaído. Pode existir um suspiro ou inspiração rápida. Inclui uma atenção ampliada. Poderemos mover a cabeça para trás e levantar as mãos para proteger o nosso rosto.


Psicólogo Clínico e da Saúde na ECSM-DL:

TIAGO M. G. CRUZ

Similar Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

1 × four =